fbpx

Editora Senac apresenta livro de Mercedes Urquiza na Bienal Brasil do Livro neste sábado

O livro A Trilha do Jaguar: na Alvorada de Brasília, da Editora Senac-DF, que conta a história da construção de Brasília na visão da pioneira argentina Mercedes Urquiza, será apresentado na Bienal do Livro neste sábado (25), às 14h, no espaço Banca da Conceição, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília. Com uma linguagem leve e bem humorada, a obra possui 250 páginas divididas em 30 capítulos, recheada de fotos da coleção particular da autora. No livro, o leitor encontra também as histórias de outros pioneiros, as dificuldades que passaram, a solidariedade que sobressaía em momentos de dificuldade e documentos inéditos da época da construção da cidade.

A obra de Mercedes foi uma das escolhidas pela Bienal como lançamento de autores do Distrito Federal. No total foram inscritos 64 títulos, sendo escolhidas obras de 24 autores em várias categorias: poesia, conto, infantil, juvenil, romance, ensaio, biografia e reportagem. Para serem lançados na Bienal, os livros deveriam ter sido editados entre 2017 e 2018 e os autores tiveram um prazo para indicar suas obras pelo site da Bienal.

A Trilha do Jaguar mostra a aventura dos jovens Mercedes e seu marido Hugo Maschwitz, que aos 18 e 21 anos, respectivamente, deixaram Buenos Aires em 1957 para chegar à Brasília e começar do nada. Tataraneta do General Urquiza, ex-presidente da Argentina, e com uma árvore genealógica recheada de parentes ilustres, Mercedes nasceu em uma família tradicional de elevado poder financeiro. Apesar dos pais nunca terem deixado faltar nada durante toda a sua infância, ela largou tudo em busca do sonho de participar da construção da nova capital do Brasil juntamente com o marido. Apaixonados pelo país, Mercedes e Hugo saíram de Buenos Aires em um jipe, levando alguns pertences e acompanhados de um cachorro, da raça pastor alemão, chamado Fleck. A viagem durou 48 dias e a primeira moradia do casal foi um barraco de madeira sem luz, água quente e telefone na Cidade Livre, hoje Núcleo Bandeirante.

“Vim incentivada pelo sonho visionário de JK e participei de todas as atividades pioneiras irmanada com os recém-chegados desbravadores de todo o país. Junto com meu marido, empreendi diversas atividades como fornecedora das obras da futura capital. Atuei como primeira corretora oficial da Novacap, fui correspondente do jornal argentino “La Nación”, e fui intérprete de visitantes ilustres, já que possuía um diploma de Cambridge pelo estudo da língua inglesa”, afirma Mercedes que, em 1962 fundou, sempre ao lado do seu marido, a primeira agência de viagens da nova capital, no recém-inaugurado Hotel Nacional. O gosto pela área de turismo foi herdado pelas filhas Mercedes e Gabriela, que se tornaram sócias e abriram a própria empresa no ramo.

“Mercedes é considerada uma memória viva da história da Capital Federal e talvez uma das únicas argentinas, àquela época, a se juntar aos candangos para construir Brasília”, afirma o presidente do Senac-DF, Adelmir Santana. “Além de sua própria história, ela mostra também histórias de conhecidos e anônimos que deixaram suas vidas para trás em busca de um sonho. Por isso, é um orgulho muito grande deixar tudo registrado em um livro editado pela Editora Senac, ressaltando a história de Brasília sob a visão de uma pioneira e empreendedora de sucesso”, completa Adelmir Santana.

Além de todo o trabalho já desenvolvido, Mercedes Urquiza promove pelo mundo, há 15 anos, exposições fotográficas que divulgam a saga de Brasília e outros temas nacionais, tendo passado por oito capitais brasileiras e 60 países. As fotos que compõem as exposições foram presenteadas pelo sueco Ake Borglund, para quem Mercedes foi intérprete em uma matéria da revista National Geographic em 1957. As exposições mais recentes foram realizadas na sede da ONU em Nova York (outubro/2017) e na Embaixada do Brasil em Washington (Janeiro/2018).

Na 4ª edição da Bienal Brasil do Livro e da Leitura, que acontece até o dia 26 de agosto, o Senac participa com um estande onde comercializa obras do Selo Senac Editoras, que engloba publicações do Departamento Nacional e das Editoras do Senac Ceará, Distrito Federal, Rio de Janeiro e São Paulo. A Bienal Brasil tem como tema “Os Outros Somos Nós”: um Mergulho na Experiência Alheia através da Literatura. A feira conta ainda com mesas de debates, encontros com escritores, apresentações artísticas, homenagens e uma grande diversidade de estandes de editoras e livrarias, apresentando lançamentos e títulos inéditos. Além disso, tem espaços especiais como Espaço HQ e Espaço Z e uma série de atividades artísticas e culturais para o público infantil e infanto-juvenil, como apresentações teatrais, exibições de filmes e contação de histórias.