fbpx

Em encontro da Fecomércio-DF, representantes dos departamentos nacionais do Sesc e Senac apresentam ações das entidades

Com o objetivo de apresentar as ações que o Serviço Social do Comércio (Sesc) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) realizam em todo o Brasil, inclusive no Distrito Federal, a Fecomércio-DF realizou na manhã desta quinta-feira (13), na sede da entidade, um encontro com presidentes de sindicatos e diretores da entidade para mostrar os principais projetos e programas do Sesc e do Senac. A assessora de relacionamentos institucionais do Departamento Nacional do Sesc, Ana Márcia Varela, e a assessora de comunicação do Departamento Nacional do Senac, Márcia Leitão, ministraram a palestra.

O presidente da Fecomércio-DF, Francisco Maia, abriu o encontro e falou da importância de esclarecer para a base de sindicatos da Fecomércio-DF sobre o funcionamento e a estrutura nacional do Sesc e do Senac, com o intuito de desmistificar informações desencontradas. “A ideia de reunir todos para esta apresentação surgiu depois que a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC) nos apresentou a mesma exposição”, disse. “Na minha gestão quero que haja uma transparência e uma comunicação entre sindicatos, Sesc e Senac”, ressaltou. Na opinião de Francisco Maia, essa integração é fundamental para fazer com que todos sejam defensores do Sistema Fecomércio.

O diretor regional do Sesc-DF, Marco Tulio Chaparro, e o diretor regional do Senac-DF, Antonio Tadeu Peron, participaram do encontro. Chaparro ressaltou que a experiência do Departamento Nacional deve ser compartilhada por todos que fazem parte do sistema. “É necessário que haja essa interação entre as casas, afinal, nós somos um sistema”, disse. Já Peron apontou a necessidade de se fazer uma ampla divulgação das ações realizadas pelo Sesc e Senac. “Precisamos fazer uma divulgação maior tanto para mostrar para a população o nosso trabalho, quanto para informar melhor os colaboradores dentro das instituições”, afirmou o diretor regional do Senac.

A assessora de comunicação do Departamento Nacional do Senac, Márcia Leitão, começou a apresentação contando sobre a criação das instituições, que nasceram em 1946. “O Sesc e o Senac nasceram como instituições de direito privado, sem fins lucrativos, vinculadas ao sistema sindical e sendo administradas pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo – CNC, com a finalidade de atuar em prol da valorização do trabalhador e de seus familiares, pela via da educação e da promoção do bem-estar social”, disse.

Ela explicou que a Receita de Contribuição das instituições originam-se de financiamento por parte do empresariado do comércio de bens, serviços e turismo, que contribui, respectivamente, com 2,5% do montante da folha de pagamento de suas empresas para o Sesc (1,5%) e o Senac (1%). Dessa forma, a Contribuição Social não é recurso retirado do trabalhador. A alíquota incide sobre a folha de salários apenas como referência. “Portanto, é inadequado afirmar que uma potencial redução de alíquota representará, forçosamente, em aumento de salário ao trabalhador”, ressaltou Márcia Leitão.

Outro ponto apresentado pela assessora foi de que os empresários do comércio de Bens, Serviços e Turismo recolhem essa contribuição por meio de Guia de Recolhimento específica, emitida pelo Governo Federal. Dessa forma, todos os recursos são arrecadados pela Secretaria da Receita Federal e repassados as instituições mediante à retenção de 3,5% do total da Receita Bruta recolhida, a título de cobertura de despesas de arrecadação. Além disso, ela explicou que o Senac mantém uma rede singular, uma das maiores da América Latina, com 428 centros de educação profissional; 26 empresas pedagógicas; 11 centros especializados; 26 unidades de Ensino Superior; 85 Unidades móveis, sendo uma balsa-escola e 84 carretas-escola.

Já a assessora de Relacionamento Institucional do Departamento Nacional do Sesc, Ana Márcia Varela, explicou que o Sesc trabalha em prol do cenário socioeconômico do Brasil, oferecendo a milhões de brasileiros ações que promovem bem-estar e qualidade. “Hoje 6,4 milhões de pessoas tem o cartão Sesc, além de cotarmos com 587 unidades fixas e 151 unidades móveis, em mais de 2 mil municípios brasileiros”, disse Ana Márcia. Segundo ela, o Sesc emprega 36,7 mil pessoas. Ela explicou que o Sesc promove atendimento nas áreas de educação, saúde, esporte, alimentação, cultura, ação social, turismo e lazer. O Sesc possui 246 clínicas odontológicas (fixas e móveis). Em 2018, distribuiu 49 milhões de lanches e refeições e realizou 4,7 milhões de ações de educação em saúde.

As duas entidades também oferecem programas de gratuidade para a comunidade. Para garantir a transparência dos recursos usados pelo Sesc e Senac, é possível acompanhar a gestão orçamentária, financeira e finalística em todo o território nacional por meio da internet: http://www.senac.br/transparencia/index.html ou transparencia.sesc.com.br.